Meu perfil
BRASIL, Mulher, de 46 a 55 anos, Música, Viagens, evangélica



Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de biguaetania
 


EXEMPLO DE SUPERAÇÃO E SABEDORIA I

 

Eu não queria ficar só de longe, sabendo das notícias vindas de São Paulo, onde mora minha sogra, Marilene, sem fazer nada. Um câncer no seio aos 74 anos abalou a todos: filhos, noras, genros e netos. Marilene parecia tão saudável e imune à morte. Seria o fim, era o que todos perguntavam. Os médicos deram pouco tempo de vida, por causa da metástase. A doença havia se alastrado pelo pescoço, axilas, pulmão, coluna e fígado.

O diagnóstico trouxe muita tristeza e fez com que todos, seus quatro filhos, noras, genro e netos se unissem e lançassem mão da única coisa que poderiam fazer: orar. Os parentes decidiram não dizer a ela sobre a gravidade da doença, afinal, ela estava otimista, esperando em Deus a cura.

Depois de passar pelos médicos minha sogra começou o tratamento quimioterápico. Sofreu os abalos dos fortes medicamentos. O Biguá e eu, daqui de São Luís, também sofríamos. Desejei viajar a São Paulo para ficar ao lado dela em um momento difícil e esperei no Senhor pela passagem. Um amigo foi usado por Deus e me proporcionou a viagem, sem nem aceitar meu agradecimento público, afinal, como ele mesmo disse, a passagem foi doada de coração.

Na sexta-feira, dia quatro, lá estava eu chegando a São Paulo. No caminho do aeroporto para o apartamento dela fui me preparando psicologicamente para enfrentar o encontro. Sabia que minha sogra havia perdido 15 quilos e todos os cabelos da cabeça haviam caído. Mas Deus é bom. Lá estava ela me recepcionando cheia da sua alegria e do seu doce otimismo, apesar do momento tão difícil que estava atravessando. Minha tristeza se transformou igualmente em otimismo e esses 16 dias passados com Marilene me fizeram ver a bondade e a misericórdia de Deus personificadas nela.

Conheço minha sogra faz 37 anos, quando passei a namorar seu filho mais velho, Biguá. Em todo esse tempo sempre a vi do mesmo jeito, alegre, bem disposta e serva incansável. Mesmo quando vinha a São Luís de férias, sempre procurava algo para fazer, principalmente na cozinha.

Sua vida não foi fácil, por isso viciou-se no trabalho. Nascida em Pernambuco, lutou com dificuldades desde que ficou órfã de pai e mãe ainda criança. Casou aos 13 anos de idade buscando alguém que pudesse tomar conta dela. Tinha que administrar a casa de sapé, do almoço e janta do marido. O trabalho aumentou com a chegada de dois filhos, Edivaldo Biguá e Edinalva, enquanto o marido trabalhava como sapateiro.

Em 1961 decidiram tentar a vida em São Paulo. O marido José Guilhermino sustentava a família como lixeiro. Depois vieram mais dois filhos, Edinaldo e Edna. Mesmo a vida melhorando para a família, vieram os problemas que atacam as famílias de cidade grande. Guilhermino ganhou um emprego melhor, como guarda da Prefeitura de São Caetano. Tornou-se alcoólatra e adúltero.

Apesar de todas as dificuldades minha sogra nunca esbravejou. Sofria, chorando calada, trancada no quarto. Sabia ser humilhada e não reclamava pelos seus direitos de esposa. Aguardava com paciência no Senhor.

Analfabeta, queria ajudar nas despesas de casa. Mas como conseguir trabalho sem estudo? Um dia se ajoelhou e pediu a Deus um emprego que não solicitassem sua escolaridade. E assim aconteceu. Foi trabalhar de faxineira em um banco e depois conseguiu vaga num hospital, de onde saiu aposentada.

Mesmo com essas bênçãos, sofria com o marido. Nos anos que se passaram viu a conseqüência de tantos exageros. O marido dela, meu sogro Guilhermino, sofreu um gravíssimo AVC, Acidente Vascular Cerebral aos 50 anos de idade. Entrou em coma, teve o lado direito paralisado, não falava. E quando muitos achavam que era a hora de dar o troco, ela mais uma vez surpreendeu. Passou a cuidar do marido com uma dedicação ainda maior, sem buscar seus próprios interesses.

Nos anos que se seguiram a vida dela se dividiu entre trabalhar como faxineira, pensando tanto no salário que ajudava nas despesas como na aposentadoria. Quando chegava em casa continuava trabalhando, cuidando da casa, dos filhos e do marido enfermo.

Nunca sentiu necessidade de ler, por mais que todos incentivassem. Cuidou muito bem do marido por 15 anos e até os remédios dele eram dados no horário sem problemas, o que causava surpresa em todos, inclusive nos médicos que se admiravam com tamanha eficiência. Meu sogro voltou a ter uma vida normal, apesar das seqüelas do AVC.

Os problemas que enfrentou em toda sua vida, e foram muitos, sempre foram administrados de forma sábia. Aliás, sabedoria é a palavra que identifica minha sogra, o que também nos leva a entender que sabedoria não tem relação com as letras ou com o estudo, mas com o coração e com a relação de intimidade com o Senhor.



Escrito por taniabigua às 13h20
[] [envie esta mensagem
] []





EXEMPLO DE SUPERAÇÃO E SABEDORIA II

Sabedoria é “uma combinação de conhecimento e experiência, com a habilidade de processar todas as informações, de modo a alcançar a realização do maior bem possível, em favor de todos os envolvidos”.

Onde adquirir sabedoria? Ela não acompanha automaticamente o diploma de uma universidade de prestígio. Não se pode comprá-la no setor de "administração" da nossa livraria preferida. Não pode ser obtida simplesmente com a leitura diária de muitos livros, ou jornais.

Na bíblia, o livro de provérbios dedica grande parte de sua atenção à sabedoria - como obtê-la e de que modo usá-la.

Mas como é que um homem se torna sábio? Em primeiro lugar, respeitando e obedecendo ao Senhor. Somente os tolos se recusam a ser ensinados e desprezam a sabedoria (Provérbios 1:7).

Meu sogro morreu faz quase dois anos. E quando parecia que iria esmorecer depois dessa perda, Marilene deu a volta por cima. Sonhava viajar, principalmente para São Luís, rever o filho, o neto e o bisneto maranhense. Só que a notícia do câncer chegou como uma punhalada: doeu, abalou e levou às lágrimas. Muitos chegaram a dizer: ela não merecia. Mas quem somos nós para questionar os desígnios de Deus?

Agora é fazer como minha sogra ensinou com sua vida: aguardar em Deus, o único capaz de realizar milagres segundo sua vontade, sem se desesperar, sem reclamar, nem blasfemar, afinal, sabemos em quem temos crido e sabemos que Ele é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre, amém (Efésios 3: 20,21).

Nunca duvide disso! Deus vê nossa aflição e atende nosso clamor. É nosso Pai e cuida de nós para todo sempre.

É necessário que aprendamos através da Palavra a ser cristãos. Aqui na terra temos muitos modelos de homens de Deus que nos inspiram. O pregador George Muller, por exemplo, em resposta a muitos que queriam saber como o cristão pode adquirir uma grande fé que viam nele e na obra que realizava, deu as seguintes regras:
1) “Lendo a Bíblia e meditando sobre o texto lido, chega-se a conhecer a Deus, por meio da oração”.

2) “Procurar manter um coração íntegro e uma boa consciência”.

3) Se desejamos que nossa fé cresça, não devemos evitar aquilo que a prove e por meio do que ela seja fortalecida”.
“Ainda mais um ponto: para que a nossa fé se fortaleça, é necessário que deixemos Deus agir por nós ao chegar a hora da provação, e não procurar a nossa própria libertação”.

Com o pregador George Muller aprendemos muitas outras coisas. Por exemplo, como ele começava o seu dia:

"O maior e principal assunto com que devia se ocupar todos os dias era ter a alma feliz no Senhor. A primeira coisa com que deveria se preocupar não era o quanto poderia servir ao Senhor, ou como glorificar ao Senhor, mas como levar a alma a um estado de felicidade, e como poderia alimentar seu homem interior. Assim colocaria a verdade diante dos não convertidos, procurando proporcionar benefícios aos crentes, trazendo alívio aos desanimados, se comportando como convém a um filho de Deus.

George Muller via que a coisa mais importante que tinha a fazer em sua vida era dedicar-se à leitura da Palavra de Deus e meditar na Palavra, para ter um coração confortado, encorajado, advertido, acusado, instruído. E que, assim, enquanto meditava, seu coração fosse trazido à experiência da comunhão com o Senhor. Por isso começou a meditar no Novo Testamento, desde o princípio, de manhã cedo.

A primeira coisa que fazia, depois de pedir com poucas palavras a benção do Senhor sobre sua preciosa Palavra, era meditar na Palavra de Deus, investigando, por assim dizer, cada versículo para extrair bênçãos dele; não tendo em vista o ministério público da Palavra, nem com o propósito de pregar sobre o que tinha meditado, mas a fim de obter alimento para a própria alma.

George Muller descobriu que o resultado quase invariavelmente é que, depois de uns poucos minutos, sua alma é levada a confessar, ou agradecer, ou interceder, ou suplicar; de modo que, apesar de não se dedicar à oração diretamente, mas à meditação, a alma se transformava quase imediatamente mais ou menos em oração.

Depois de ficar assim por algum tempo fazendo confissão, ou intercessão, ou súplica, ou dando graças, George Muller passava para as próximas palavras ou versículo seguinte, transformando tudo, à medida que continuava, em oração por si ou por outros, do modo que a Palavra conduzia.

Sempre mantendo em vista que alimentar a própria alma é o objetivo da meditação. Pela benção de Deus ele atribuía a essa prática a ajuda e força que recebia de Deus para passar com paz por dificuldades de vários tipos, maiores do que jamais teve antes; e, depois de ter experimentado este carinho por mais de quarenta anos, podia recomendar aos cristãos viver plenamente, no temor de Deus.

Que diferença quando a alma é animada e alegrada de manhã cedo, se preparando espiritualmente para o trabalho, para as dificuldades e tentações do dia, quando nos sobrevêm!

Que aprendamos a manter a alma assim, em comunhão com o Senhor, de modo a esperar com paciência Seus desígnios e Sua vinda.

Que fazeis chorando e quebrantando-me o coração? Pois estou pronto não só para ser preso, mas para morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus.” (Atos 21:13)

“Porque eu estou bem certo de que nem a morte... poderá separar-nos do amor de Deus” (Romanos 8:38)

“regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes” (Romanos 12:12)

“E o Deus da esperança vos encha de todo gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo” (Romanos 15:13)



Escrito por taniabigua às 13h19
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]